jusbrasil.com.br
31 de Julho de 2021

Beleza não põe mesa, mas impõe pena.

A hipocrisia coletiva em seus julgamentos.

Alex Ciqueira, Advogado
Publicado por Alex Ciqueira
ano passado

As pessoas não assumem, mas há um julgamento realizado SIM com base na aparência do próximo, mesmo que de forma inconsciente.

Hoje sou advogado, mas já estive no banco dos jurados por três anos, atuando no Tribunal do júri, e comentários acerca da aparência dos acusados eram constantes.

Frases como: "Tem cara de bandido", "Tem olhar de bandido", "A aparência já diz tudo" entre outras "certezas" baseadas no padrão criado pela mídia e pela própria sociedade. Isso mesmo, essa sociedade hipócrita e mesquinha em que vivemos.

É nítida a benevolência dada aos considerados "belos" nos termos do inconsciente coletivo, seja o acusado ou a vítima.

Sobre o acusado é comum ouvirmos: "Nossa, uma pessoa tão bonita e se meteu com o crime. Que pena."

E sobre a vítima: "Nossa, era tão bonito (a)".

Até mesmo o próprio advogado é julgado por sua aparência, pois também presenciei frases como:

"Com um advogado desse, com esse terno surrado e cafona, o réu já merece ser condenado". Seguida de gargalhadas de representantes dessa sociedade que diz que beleza não põe mesa e prega nas redes sociais que "o que importa é o coração". Sei...

A seara criminal é o confronto entre a razão e a emoção, emoção essa contaminada por preconceitos em uma sociedade que prega "o amor ao próximo", o "não julgar sem saber a verdade" e o "seja você mesmo", mas que pesa de forma diferente na prática.

Basta fazer um teste:

Peça para uma pessoa vestida de terno e gravata entrar em um banco ou em qualquer outro local público e observe. Nem o alarme da porta giratória irá funcionar.

Agora faça de outra forma, observe o comportamento dos guardas, das pessoas ao redor e até do próprio alarme local com uma pessoa vestida de forma simples. Observe o olhar que chamamos de "dos pés à cabeça" julgando o indivíduo, seja por suas vestes, cor, condição social ou qualquer outra superficialidade material. A condenação é nítida.

É preciso que tanto as pessoas, como sociedade, quanto as instituições e o poder judiciário se conscientizem de que ninguém pode ser julgado pela sua simples aparência, mas sim pelos fatos.

E eu estarei aqui, como a defesa, o escudo contra toda hipocrisia institucionalizada.

A DEFESA NÃO PARA!

CIQUEIRA ADVOCACIA CRIMINAL - TRIBUNAL DO JÚRI (RJ,MG e SP)

(21) 96981-9619 - E-mail: alexciqueiraadv@gmail.com

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)